COMO DETALHAR UMA MOTA

NESTE GUIA GRATUITO:

  • Aprenda como limpar, e detalhar a sua mota de uma maneira segura, tal e qual como os profissionais.
  • Veja os produtos que podem ser usados ao longo deste processo de modo a dominar cada uma das etapas do nosso guia passo-a-passo.
  • Ultrapasse os mitos acerca da limpeza de motores e acerca do melhoramento dos painéis de plástico.

QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS?

  • Aprender a limpar, proteger e manter a sua mota, ajuda a que esta mantenha o seu valor e salvaguarda-o quanto a uma falha mecânica.
  • Um detalhe bem executado, fará com que a sua mota seja mais fácil de manter no futuro.
  • Usar os produtos e métodos corretos por você mesmo, poupa tempo e dinheiro bem como minimiza os riscos.

DE QUE FORMA É QUE LIMPAR UMA MOTA É DIFERENTE DE LIMPAR UM CARRO?
LEIA E DESCUBRA POR SI MESMO…
 

É verdade que alguns dos veículos mais rápidos e desejáveis que circulam na estrada têm duas rodas em vez de quatro e vai descobrir que muitos entusiastas de carros têm uma mota guardada na sua garagem. Mas, o que acontece quando falamos acerca de detalhe?

 

Sabe, a nossa equipa de apoio ao consumidor é frequentemente questionada acerca das diferenças entre o detalhe de carros e motas e sobre como tudo desde as supermotos até às carrinhas conduzidas no dia-a-dia podem ser limpas, melhoradas e protegidas sem ter o risco de causar danos a variadas partes do veículo. Então, achamos que estas questões merecem respostas assertivas e vamos de uma vez por todas explicar como é feito pelos profissionais.

 

QUAL É A DIFERENÇA ENTRE UMA MOTA E UM CARRO?

Além do óbvio – duas rodas vs quatro rodas – não há assim uma grande diferença entre os dois. Na realidade, a grande maioria dos processos de detalhe usados em carros podem ser usados – ou pelo menos adaptados – para qualquer mota. Então, como qualquer carro, as motas podem ser lavadas, descontaminadas, melhoradas, polidas ou protegidas e mantidas ao longo de qualquer estação. A chave é ter cuidado e bom senso ao longo de cada processo

Há algumas diferenças claro, as motas não têm interior, por isso os bancos e até os seus mostradores estão desenhados e preparados para a exposição ao exterior sendo assim alegadamente mais duráveis e mais prováveis de subsistir a soluções de limpeza mais fortes do que a pele ou os estofos que se encontram no interior de um carro.

Mas, o que também é certo é que as motas não devem ser subestimadas no que toca à sua limpeza e acabamento. Há quem diga que detalhar uma mota é bem mais fácil que detalhar um carro, simplesmente por causa do seu tamanho. Aparentemente, não há muito que polir, proteger ou refinar, certo? Na realidade, onde as motas podem levar menos tempo no tratamento de alguns locais, outros podem levar muito tempo a detalhar. As motas tendem a ter designs mais complicados e mais sítios que acumulam poeiras. É um caso em que podemos aplicar o ditado “venha o Diabo e escolha”.

 

MELHORAMENTO PASSO-A-PASSO

A seguir explicamos como realizar um detalhe de forma a melhorar a sua mota, bem como as principais preocupações a ter quando se limpa qualquer mota e muitos mais conselhos que ajudam a elevar o detalhe um nível acima.

PASSO 1: INSPECIONAR

Como em qualquer tipo de detalhe, circunstâncias diferentes e até modelos de veículos diferentes requerem níveis diferentes de trabalho. Isto depende de muita coisa, desde o nível de contaminação do veículo até a como o veículo está construído, pela forma como é conduzido, o que está à mostra e até a própria idade da mota.

A maior diferença é que nas motas, todas as partes estão sempre expostas a todos os elementos o que significa que os componentes mais sensíveis como filtros de ar e circuitos elétricos estão mais bem protegidos do que estariam num carro. No entanto, devemos ser mais cuidadosos a onde apontamos o jato de água, devemos apenas usar a névoa de água em zonas que o jato de pressão pode causar problemas em vez de apontar diretamente o jato para lá. Devemos tratar o detalhe de uma mota como tratamos a lavagem de um cofre de motor de um carro – ir com cuidado e ter sempre em consideração a idade de um carro – como carros retro, antigos e motas modificadas que podem ter filtros ou circuitos elétricos expostos.

As motas também tendem a ter peças metálicas complexas à vista, isto pode não acontecer tanto numa mota desportiva, mas ao polir uma mota de passeio como uma Harley Davidson e certamente irá passar algum tempo com o Mercury Metal Polish!

Posto isto, primeiro inspecione a sua mota e elabore um plano acerca do que precisa. Aqui iremos detalhar uma mota BMW S1000RR bastante suja (embora que bem cuidada). Uma descontaminação de 3 etapas e uma correção de pintura não será, no entanto, necessária. Mas devemos estar sempre preparados para isso ao efetuar um detalhe. Em seguida, devemos considerar o quão longe quer levar o seu detalhe e que resultados espera obter no tempo que tem disponível.

Algo que é imediatamente óbvio é o design do escape. Como em qualquer carro, um pouco de água no motor por si só não é um grande problema, mas a água no interior de um motor causa um grande problema. Por esse motivo, e na maioria das motas, optámos por colocar tecido velho a tapar a entrada dos tubos de escape para evitar ao máximo a entrada de água nos mesmos.

 

PASSO 2: JANTES

Ao contrário do que fazemos num detalhe a um carro (onde se começa sempre pelo cofre do motor) numa mota deve-se sempre começar pelas jantes.

É claro que as motas são extremamente leves quando comparadas a outros veículos e por essa razão não tendem a ter uma grande quantidade de pó de travão acumulado. Se encontrar algumas marcas que se parecem com ferrugem nos guarda lama que requerem um tratamento com o Iron Out Contaminant Remover, é provável que estas manchas tenham vindo de outros veículos.

Isto, aliada ao facto que muitas jantes de motas (e pinças de travão) são feitas de cromado ou têm um outro acabamento especial, é a razão pela qual se evitam produtos muito agressivos para lavar as jantes. Uma combinação de Imperial Wheel Cleaner e Revolution Wheel Soap será mais que indicado para remover quaisquer poeiras das jantes e são seguros em qualquer tipo de jante.

Depois de rapidamente enxaguar a jante para remover alguma poeira solta, adicione 2-3 tampas de Revolution a um balde de água limpa e faça espuma com a sua máquina de pressão.

Trabalhe numa jante de cada vez, primeiro ao aplicar Imperial nos raios e tambores antes de pincelar em todas as áreas mais complexas à volta da pinça de travão com a solução de Revolution. Isto irá decompor e soltar a sujidade e poeira de travão, misturando-a na solução.

Tal como num carro, gostamos de dar uma limpeza final com Revolution com uma luva de limpeza para assegurar que todas as áreas foram cobertas antes de enxaguar todos os resíduos e poeira consigo.

PASSO 3: PNEUS

Limpar os pneus é extremamente importante numa mota desportiva, provavelmente ainda mais que num carro. Isto deve-se não só a que ambos os pneus estão expostos a maior parte do tempo, mas também porque não existe cobertura aos pneus numa mota (para evitar quaisquer perdas de aderência quando se curva com a lateral do piso do pneu) por isso, não há mesmo onde se possa desleixar na sujidade do pneu na mota.

Tread Tyre Cleaner é o ideal neste caso, combinado com o nosso Rubber Scrubber Tyre Brush que está formulado para decompor os mais difíceis solos e sujidade em contacto com a estrada. Até mesmo manchas entranhadas e difíceis de remover são rapidamente erradicadas. É apenas necessário, aplicar em todo o pneu, esfregar e depois enxaguar.

 

PASSO 4: PRÉ-LAVAGEM

No principal corpo da mota, como num carro, uma pré-lavagem eficiente é a melhor forma para remover a maior parte da sujidade e poeiras de forma a evitar que apareçam marcas swirl nas superfícies pintadas e nos plásticos brilhantes. É claro que a melhor pré-lavagem só pode ser levada a cabo usando agentes de limpeza capaz de decompor a sujidade, permitindo que a mesma seja removida de forma segura.

Citrus Power Bug & Grime Remover é o nosso produto de eleição para este trabalho. É forte para remover e decompor toda a sujidade ao passo que permanece suave o suficiente para ser usado em áreas sensíveis. Não irá também remover qualquer tipo de revestimento ou cera aplicado anteriormente.

Após cuidadosamente enxaguar toda a mota de cima para baixo (apenas para assegurar que a pré-lavagem está a funcionar onde é mais precisa) aplique o Citrus Power por toda a mota, concentrando-se nas áreas mais contaminadas, como os tambores, tanque de combustível e quadro. Assim que estes sítios estiverem saturados com o produto, deixe atuar. 

Neste ponto, o que difere entre detalhar um carro é que gostamos de adicionar um pouco de Eradicate Engine Degreaser em qualquer das zonas mais gordurosas. Obviamente, devemos deixar a corrente de parte já que ela deve ser lubrificada, portanto devemos evitar usar desengordurantes diretamente nela apesar de não haver problema de molhar a corrente ou de a cobrir em espuma de neve ao executarmos a nossa lavagem (até é praticamente inevitável).

De novo, aplique o Eradicate em toda a área e deixe atuar. Não há necessidade de escovar ou enxaguar de imediato, para um poder de limpeza extra, usaremos Avalanche Snow Foam diretamente em cima.

 

PASSO 5: SNOW FOAM

Antes de mais, a resposta para uma pergunta recorrente; “Há problema em usar a Avalanche Snow Foamnuma mota?” Uma mota está preparada para resistir no exterior até mesmo a neve real no inverno, portanto, uma espuma de limpeza não será um problema. A espuma Avalanche irá penetrar a todos os recantos e reentrâncias de difícil acesso, que é exatamente o que queremos numa mota que neste caso é mais difícil de limpar do que os painéis de um carro.

Use a Foam Lance para aplicar a Avalanche por toda a mota, de cima para baixo e permitindo que a espuma atue pelo maior tempo possível. Durante este período de atuação, use um Detailing Brush para levar a Avalanche a rigorosamente todas as áreas, mesmo nas mais difíceis. Se necessário, use um pouco de Citrus Power para uma limpeza extra enquanto usa o pincel.

 

PASSO 6: DESENGORDURAR E ENXAGUAR

Por razões óbvias, numa mota encontraremos no exterior de uma mota partes mais gordurosas que num carro. Em partes mais complicadas como na cremalheira ou em partes do motor, um pouco mais de Eradicatepode ser aplicado em spray ou espalhado com o pincel para então remover a gordura nas mais difíceis partes, evitando assim trabalhar diretamente na corrente.

Quando se sentir satisfeito com o resultado nas áreas mais sujas e sentir que a sujidade está pronta a ser removida, enxagúe toda a mota. Seja minucioso nesta fase porque toda a sujidade e terra, está “presa” nas soluções Avalanche, Citrus Power e Eradicate. A ideia ao enxaguar é remover de forma segura toda a sujidade da mota para o chão, por isso não tenha pressa.

 

PASSO 7: LAVAGEM DE CONTACTO

Como esta mota em questão é relativamente nova e com pouca quilometragem, vimos na fase de inspeção que esta mota não precisa de uma descontaminação de 3 fases. Então, neste caso a lavagem de contacto será a última parte da fase de lavagem. Não quer isto dizer que não possa descontaminar todas as partes pintadas da sua mota, usando o Iron Out para partículas de metal embutidas, ObliTARate Tar & Glue Remover para resíduos pegajosos e uma Clay Bar em conjunto com Glide Clay Lube para remover contaminação como tinta a mais ou resíduos de pássaros.

No que toca à lavagem, a regra de sempre se aplica. Use dois Detailing Buckets, um para a solução de lavagem e outro para água limpa que servirá para limpar a sua luva entre passagens. O Lather Car Shampoo deve ser a arma de eleição neste caso para levantar a sujidade restante permitindo que a mesma seja removida pela água ao enxaguar. Lave em linha reta, atacando primeiro as partes menos contaminadas e de novo, quando enxaguar seja minucioso.

PASSO 8: SECAR

Para prevenir que os minerais e impurezas que estão presentes na água que vai usar para enxaguar, deixem marcas e manchas na sua mota, é tão importante secar uma mota como é importante secar um carro. Geralmente é quando deixamos o veículo secar ao Sol que temos os maiores problemas. Uma coisa a ter em atenção é que ao secar uma mota, a água estará constantemente a pingar de todas as reentrâncias (que são muitas ao longo do veículo) o que pode tornar a tarefa bem difícil. É nesta fase, que um detailer profissional usaria um soprador ou ar comprimido para eliminar a maior parte da água antes de usar uma toalha seca para remover as gotas. No entanto, para quem não tenha este tipo de equipamento, pode ser tão ou mais eficaz o uso de uma Aqua Deluxe ou Silk Drying Towel para os painéis maiores antes de dar um “abanão” à mota e remover a água em excesso. É importante repetir este processo até remover toda a água.

 

PASSO 9: MELHORAMENTO E PROTEÇÃO

Aqui, outra decisão tem de ser tomada. Ao passo que qualquer desenho e emblema deve ser evitado, é possível polir à máquina tanques de combustível pintados e outras superfícies. Tenha em mente que muitos painéis de motas modernas são feitos de plástico, que não dissipa o calor tão bem como o metal. Posto isto, ao polir, devem ser usados períodos mais curtos de polimento para evitar o sobreaquecimento do plástico. Como sempre, qualquer tipo de correção deve ser efetuado apenas quando necessária para remover qualquer tipo de marcas swirl ou outros defeitos.

Polir à mão com Tripple All-in-One Polish é também uma opção viável e excelente para remover a oxidação e marcas swirl leves, deixando um revestimento de carnaúba protetor. No entanto, neste caso, na ausência de marcas swirl e defeitos, optámos por usar o Rejuvenate Paintwork Cleanser e uma Polish Pad para remover uma leve camada de oxidação e preparar perfeitamente a superfície de forma a retirar o máximo partido da Desire Carnauba Wax.

Como seria de esperar, a proteção da tinta é vital em qualquer veículo, mesmo quando fazemos detalhe a uma mota, este processo deve ser levado a cabo em cada painel pintado –incluindo tanques de combustíveis, tambores e painéis da carroçaria. No que toca à escolha do produto, tudo depende das circunstâncias e da preferência pessoal.

Defendemos que nada tem melhor aspecto que um acabamento brilhante profundo, conseguido através da aplicação de uma cera (por isso escolhemos este exemplar bem cuidado). Se estamos a tratar de uma mota que está destinada a ter a vida difícil, a melhor opção deve ser um revestimento cerâmico do nosso Caramics Paintwork Protection Kit. Mas se precisar de ser rápido, deve usar a Glisten Spray Wax ou Radiance Carnauba Crème. Não existe outra regra que não seja a que devemos sempre proteger, seja um detalhe de melhoramento ou uma correção de pintura. O melhor de tudo é que no que toca a detalhe, há muitas opções ao seu dispor que podem fazer do seu detalhe o seu próprio projeto pessoal.

PASSO 10: VISEIRAS

Em circunstâncias normais, as viseiras de Perspex encontradas nas motas, podem ser rápida e eficazmente tratadas usando o Crystal Glass Cleaner. Esta mistura de solventes suaves destilados consegue remover gordura, sujidade e impressões digitais, atuando rápido e deixando um acabamento transparente e brilhante.

Neste caso específico, tendo em conta que as motas podem ser guardadas no exterior e usadas em todo o tipo de clima, podemos encontrar uma viseira com necessidade de ser restaurada. As viseiras são extremamente sensíveis a riscos e a serem manchadas pelos insetos e devido ao seu design, podem acumular água por dentro especialmente onde é impossível passar um plano microfibra. Em todos os casos, vimos que remover a viseira e usar a Vision Glass Polish para remover manchas e defeitos leves é a melhor opção a tomar. Para um restauro mais firme, uma Microfibre Spot Pad é o indicado para uma limpeza e restauro mais profundo.

Uma limpeza final com Crystal para remover quaisquer impressões digitais decorrentes da instalação e está pronto.

 

PASSO 11: ACABAMENTO

Como podemos compreender, os passos finais de acabamento dependem também da mota em questão. A mesma pode ter inúmeras partes de metal cromado ou pode até ter um motor inteiro para polir, mas neste caso, temos pouco metal exposto.

Mercury Metal Polish é o melhor produto para tratar estes metais, é pouco abrasivo e remove rapidamente a oxidação ao mesmo tempo que expõe o metal mais novo removendo uma fina camada de metal – de facto, nada faz o metal sobressair como o Mercury excepto o Mercury Xtreme que é um produto desenhado para remover contaminação mais profunda.

O último passo para nós é dar um pouco de proteção às jantes. Novamente aqui temos várias opções, podemos usar o Caramics Wheel Protection Kit para quando uma proteção em cerâmica é necessária. Para outro tipo de proteção às jantes, podemos ainda usar um pouco de Mint Rims Wheel Wax ou se quiser um detalhe super-rápido, uma aplicação em spray seguida de limpeza com a Glisten Spray Wax, irá oferecer até um mês de proteção às suas jantes e fará com que sejam muito mais fáceis de limpar da próxima vez.

E É TUDO, RESTA AGORA MARAVILHARMO-NOS COM OS EXCELENTES RESULTADOS OBTIDOS EM APENAS POUCAS HORAS.

Options